Método de estudo: planificação, autonomia e responsabilidade

Muitos dos problemas escolares dos alunos de hoje estão relacionados com a ausência ou uso inadequado de métodos de estudo que favoreçam a aprendizagem. Desta forma, torna-se necessário incutir o sentido de responsabilidade e autonomia, promover o espírito proativo e desenvolver competências de resolução de problemas.





Ao longo da escolaridade, a capacidade de aprender a aprender toma um peso imensurável, dado que implica adquirir competências de organização, planificação e o uso de técnicas adequadas para alcançar o sucesso educativo.

Neste processo, o papel da família é preponderante. Todos os alunos podem melhorar a forma como estudam e aprendem, mas, para que isso aconteça, é importante conhecer bem, tanto os aspectos que já o favorecem, como tudo aquilo que é urgente mudar. Os pais devem ajudar os seus filhos a perceberem que bons hábitos de estudo são competências que irão ajudá-lo mais tarde ao longo da sua vida e não apenas agora, enquanto estudantes. 


Onde estudar?

O local onde se estuda é um preditor do aproveitamento do estudo que se faz. O local deve ser um sítio confortável, seja no quarto do aluno ou noutra divisão, devendo ter em conta os seguintes princípios:

1. Ser calmo - Os ruídos são um alvo a abater, pois condicionam a manutenção da atenção nas tarefas de estudo. Também, por seu lado, estímulos distractores (televisão, consola de jogos, computador) devem ser evitados de forma a focalizar a atenção nas tarefas a desenvolver.

2. Ter boa luminosidade - Quando o local não possui uma boa iluminação, aumenta o esforço na tarefa, o que se traduzirá num cansaço maior e desnecessário que afetará a concentração do aluno.

3. Ter espaço suficiente para organizar o material que o aluno necessita - Enquanto estuda, o aluno deverá ter acesso a todos os materiais que poderá necessitar, assim evitará que tenha de parar o estudo para ir buscar alguma coisa, quebrando o ritmo de trabalho.


Já fiz os TPC, ainda tenho de estudar mais?

Os alunos devem saber que todos os dias deverão reservar um período de tempo para fazer os Trabalhos de Casa (TPC) e rever as matérias dadas nas aulas.

Inicialmente deverá ser elaborado, com os pais e o aluno, um horário que contemple todas as atividades que este possui (horário escolar, atividades extra-curriculares, tempo de brincadeira/descanso…). Desta forma será mais fácil encaixar os tempos de estudo nos espaços que sobram. Idealmente, o aluno deverá relaxar um pouco depois das aulas e só depois retomar o estudo. O tempo de estudo deverá ser adaptado a cada aluno e ao seu ritmo de trabalho. Normalmente uma hora de estudo diário será o necessário para rever o que estiveram a trabalhar durante o dia. Se, em vésperas de testes, o estudo autónomo tiver de ser maior, este deverá ser interrompido de 50 em 50 min, para pequenas pausas. Os tempos de revisão de matérias deverão ser mais alargados nos dias que não sejam tão fatigantes na escola.

Os alunos deverão ter, sempre, uma agenda pessoal onde apontam datas dos testes, de trabalhos e onde apontam, diariamente, os TPC, para que nenhum trabalho fique por fazer e sejam capazes de se organizar para que os consigam fazer atempadamente.


Mas afinal, como é que eu estudo?

Todos os alunos são diferentes e cada aluno tem de ser capaz de reflectir sobre quais técnicas que se adequam mais ao seu perfil enquanto aluno.

Existem alguns truques que ajudam a melhorar a qualidade do estudo do seu filho. Para isso é preciso ajudá-lo a estudar melhor!

1. Rever e compreender os conhecimentos:

a. Ler “por alto” – Dando uma vista de olhos rápida pelos conteúdos para descobrir a ideia principal do texto.

b. Ler depois “em profundidade” – Lendo o texto de forma aprofundada, tantas vezes quantas forem necessárias até compreender o que lá está escrito, sublinhando ideias essenciais.

2. Reproduzir a informação por palavras suas:

Depois de tomar conhecimento de toda a informação é importante passar a ser produtor de informação, ou seja, fazer resumos, apontamentos ou esquemas usando as suas próprias palavras.

3. Praticar:

Na resolução de exercícios, o aluno demonstra os seus conhecimentos através da escrita. Se não for eficaz nesta fase, deve rever o que está para trás e analisar aquilo em que pode ter dúvidas ou dificuldades.


O aluno deverá ser o protagonista da sua aprendizagem, onde a sua autonomia e responsabilidade o dotarão de competências para o resto da sua vida.


Iolanda Anunciação 

Técnica Superior de Educação

764 visualizações

Rua Instituto de Cegos de São Manuel 231, 4050-308 Porto

geral@saudeinfantilporto.com

227 666 508 | 967 384 469

  • Facebook
  • Instagram

©2018 by SIP - Saúde Infantil Porto.